De um sistema legado ao WordPress. O desafio

Padrão

O código do cliente tem comentários com a data de 2007. 13 anos atrás, as coisas eram bem diferentes.
PHP 5 ainda era uma novidade. O iPhone era lançado…

O cliente tem um site antigo, mas que funciona. Precisa muito migrar para um código moderno pra poder continuar progredindo. Como sou fã do wordpress já cantei a pedra: vamos pro WP. O cliente tem um ecommerce. Reluta e diz que não é a plataforma ideal para ecommerce. Eu discordo. O woocommerce faz do wp um astro pro ecommerce.
Nem me fale em Magento…

Agora, vem a questão: como fazer uma transição amigável? Ou seja, manter tudo que está no ar funcionando e ir adicionando as coisas novas no WP.

A solução foi mais simples do que o esperado. Analise o que foi feito:

1 – Mantive todas as requests indo pro index.php. O index.php do atual site tem uma tentativa frustrada de fazer um rewrite das URLs. Logo, eu consigo através do index.php saber se o que era procurado foi encontrado ou se trata-se de um erro 404.

2 – Ao receber um erro 404, eu coloquei o arquivo index para executar o simples index.php nativo do wp:

define( 'WP_USE_THEMES', true );

require __DIR__ . '/wp-blog-header.php';

3 – Pronto, agora o WordPress cuida das requisições que não existem no antigo site e também dos erros 404.

Com isso, conseguimos manter o antigo site funcionando e demos vidas as novas páginas que irão surgir a partir do WordPress. Óbvio que as páginas não poderão ter links similares ao antigos, mas isto não é um problema pois as antigas URLs são péssimas para SEO.

Como nossos pais

Padrão

Estou aqui programando um sistema e ouvindo minhas músicas no spotify. De boa.
Quando começou a tocar a letra “Como nossos pais”, de Elis Regina. Já ouvi muito esta música, mas só agora me toquei de algo que sempre busquei em minha vida, depois que adquiri certa independência intelectual: não viver como meus pais.

No primeiro momento, pode soar estranho. Mas a lógica é simples: eu chego ao mundo no exato ponto em que meus pais estão. Se eu não sair deste ponto, eu não evoluí. Compreende?

Se meu pai chegou até o ensino médio, é uma obrigação minha concluir uma faculdade. Toda a bagagem de vida dos meus pais vai me levar facilmente a conclusão do ensino médio. Evoluir, por força própria, seria concluir uma faculdade.

Esse raciocínio baliza meu apoio, por exemplo, aos programas sociais voltados aos mais pobres e negros. Raciocina comigo: Seu bisavô fazia o que lá em 1900? As oportunidades e experiências de seu bisavô levaram seu avô a começar mais a frente. É o mesmo exemplo que dei acima: se meu pai fez o ensino médio, é extremamente provável que eu também vá concluir o ensino médio.

O bisavô de um negro, certamente, era um escravo recém liberto. O avô deste mesmo negro começou muito lá atrás de qualquer um que não era filho de um ex-escravo. É aí que eu julgo importante a gente dar uma pouco mais de igualdade aos negros e pobres, pois as aquilo que seus antecedentes viveram e experimentaram tem total influência sobre as oportunidades e caminhos que a vida vai lhe apresentar.

Então, não sejamos como nosso pais. Sejamos aquilo que eles foram e mais um pouco. Matematicamente falando, sejamos x+1.

Uma olimpíada indesejada. Devemos desistir?

Padrão

Vivemos momentos difíceis. A cidade do Rio de Janeiro não está no clima de festa, dada a sua situação financeira.

É incomparável o Brasil de 2008 que apresentava um PIB de 5% e o de 2015 de -3,8%.

Mas a questão é que agora nós somos sede das olimpíadas e elas estão aí. A prefeitura fez o seu papel e entregou a cidade arrumadinha pros jogos. Já o governo do estado…

Seria mais vantajoso virar pro mundo e dizer: não vai ter olimpíadas porque estamos mal das pernas ou segurar a peteca e fazer o melhor para que os jogos ocorram? Parece que a população prefere desistir dos jogos…

Governo toma mais uma pancada com delação de Delcídio

Padrão

E hoje, mais uma vez, uma bomba caiu em brasília. Delcídio do Amaral teve sua delação premiada homologada e vazada pela Veja (eca)

Certamente, isso já muda os planos do governo de ter Lula como ministro pra dar seu último suspiro. A bomba estourou no momento perfeito. Enquanto o PT dava uma respirada pra tentar se reerguer, tomou mais um soco e está caído novamente. Será que dá pra levantar agora?

Vale lembrar que respingou na oposição também. Tem Aécio na jogada. Vamos aguardar o desenrolar dos próximos dias! As coisas continuarão quente por lá.

E o Brasil? Que se dane! O que interessa é dar seguimento à novelinha dos três poderes.

Mais um recorde pro 2º mandato de Dilma e seu congresso infantil

Padrão

Hoje, 18/09/2015 o dólar fechou cotado acima de R$3,95. A última vez que o dólar teve a audácia de ficar tão caro foi quando Lula tinha sido eleito presidente dessa bagaça. O mercado morria de medo das cagadas que ele iria fazer. Foi lá e fez como deveria ter sido feito.

Esta semana, o dólar tinha potencial pra cair (o FED não subiu os juros dos EUA) e o maldito subiu e muito! Graças à crise política que vivemos hoje. Temos um congresso de birra com o executivo e um país ameaçando que em 2016 vai faltar dinheiro. Nenhum credor quer ouvir que não tem dinheiro pra pagar o empréstimo e que vai precisar pegar mais emprestado.

O mercado também se aproveita e vai testando o banco central para ver até onde o dólar vai subir sem uma grande interferência do banco. Ou o banco central libera alguns bilhões de dólares na segunda ou o dólar vai romper sua máxima história. Nunca, na história deste pais (rs), o dólar chegou à R$4,00. Será que chegará agora? Será que Dilma irá amargar mais este recorde em seu mandato?

Todos nós esperamos que o congresso e o executivo façam as pazes e resolvam suas disputas. A infantilidade do congresso está custando muito caro! E a falta de pulso firme do executivo tá deixando o poste mijar no cachorro! Alguém, e a presidente já mostrou que não tem mais moral para isso, precisa botar o pau na mesa e engatar este país em algum rumo que não seja o fundo do poço!

Carros deveriam quebrar em hora programada

Imagem

petrobras 2O dia já tinha começado mal, porque eu tive que ir ao banco. Ok, fui lá enfrentar o leão (leoa, no caso, pois a gerente era mulher). Você resolve o que tinha que resolver (ou complica ainda mais) e entra em uma maravilha do mundo moderno, vulgarmente conhecida com carro.
Maravilha continuaria sendo, se o mesmo não tivesse estourado uma mangueira da direção eletrônica e começa a mijar igual a uma cadela no meio da rua. O antes maravilhoso, agora maldito, estava se desfazendo em óleo e eu pensando: ir pra casa com esse carro com a direção mais pesada que a de um caminhão irá me deixar em maiores prejuízos? Bem, meus consultores em assuntos mecânicos disseram que não. Cheguei a casa bem. O carro, já não sei se está tão bem assim com toda aquela “hemorragia”.

Mude de suphp para fcgi e seja feliz

Padrão

Bá, isso aqui não é um tutorial. É só um relato da minha experiência. Um servidor em plena produção e +800 contas. Servidor Centos, com Cpanel. Processador i3 e 8GB de RAM. Ele está precisando de um fôlego. Não caberia mais ninguém, pois já estava passando dos limites com as contas que mantinha. Contudo, o fcgi veio para salvar minha vida.

Se você não sabe, suphp e fcgi são “handlers” do PHP. Possuem recursos parecidos, mas um diferença gritante: 1 consome mais processamento (suphp) e outro consome mais memória (fcgi). Em horário de pico, o load do servidor estava chegando à 4-5 fácil! Toda hora eu tinha que intervir. Resumidamente, mudei para o fcgi e o load não passa de 2 (dois)(two) no horário de pico. Pronto, agora tenho um servidor estável e seguro (sim, o fcgi também é seguro como o suphp).